HISTÓRICO

No ano 2000, o Ministério do Meio Ambiente, por meio do Centro de Informação e Documentação (CID Ambiental), passou a incentivar a implantação de Salas Verdes. Esta foi uma estratégia que visava ir além da mera distribuição de livros e materiais ambientais. No período anterior, o público que acessava e visitava as dependências do CID Ambiental solicitava materiais, publicações e informações para que eles próprios pudessem levar a seus municípios, e por conta própria disponibilizá-los à população interessada no tema.

A partir do levantamento das relações já existentes com o CID Ambiental, relativas à política de distribuição de materiais bibliográficos, foram mapeadas 99 instituições atendidas no período entre 2000 e 2003. Essas instituições foram convidadas a conhecer e participar de um novo modelo de distribuição de materiais. Em decorrência dessas ações, foram criadas as primeiras 45 Salas Verdes, por demanda espontânea.

Neste período, as estratégias e linhas de ação foram discutidas e foi elaborado o Manual de Procedimentos para as Salas Verdes, visando garantir o desenvolvimento das Salas Verdes implantadas e o fortalecimento da relação entre o MMA e as instituições atendidas pela ação. Houve, ainda, a implantação de processos de monitoramento e avaliação e a formulação de novas estratégias para implantação de Salas Verdes pelo país.

Este processo, entendido como sendo o embrião do Projeto Sala Verde, demonstrou-se num primeiro momento positivo, por avançar na direção na disseminação de informações e materiais produzidos e/ou disponibilizados pelo Ministério do Meio Ambiente, mas num segundo momento deparou-se em algumas dificuldades:

  • Falta de garantia de que aqueles materiais e informações estivessem sendo efetivamente disponibilizados à população do município/região em questão;
  • Carência de informações complementares posteriormente à retirada do material por parte destes técnicos e gestores;
  • A disponibilização de materiais ficava restrita a pessoas e instituições que acessavam diretamente o CID Ambiental, requerendo no mínimo uma visita (presencial) a Brasília, característica esta que se tornava um fator excludente à maioria dos municípios e organizações, especialmente aqueles considerados menores;
  • Criava-se uma relação principalmente entre CID/MMA e as pessoas que retiravam os materiais do que inter-institucional;
  • Carência de estratégias de monitoramento e avaliação da utilização destes materiais nos municípios envolvidos.

O Projeto avançou consideravelmente no estímulo a implantação de Salas Verdes pelo país, especialmente no período compreendido entre os anos de 2000 a 2004. Nesta fase o processo de implantação de Salas Verdes baseou-se no modelo de Atendimento a Demandas Espontâneas, seguindo a estratégia descrita acima, alcançando resultados satisfatórios.

A partir de 2004, a forma de adesão à ação se deu através da realização de seleção de propostas, orientadas pelo lançamento do Manual do Processo Seletivo 01/2004, que definiu requisitos essenciais para a constituição de uma Sala Verde, os quais atualmente se caracterizam por: Projeto Político Pedagógico (PPP), equipe técnica, espaço físico e garantia de manutenção. Foram selecionadas 63 Salas Verdes no primeiro processo seletivo.

Nos anos de 2004 e 2005, os Manuais do Processo Seletivo mantiveram suas características estruturantes, mas foram orientados de acordo com as demandas, com a necessidade de integração com outras ações e projetos da Departamento de Educação Ambiental (DEA) e do MMA. Outro aspecto que orientou a elaboração dos manuais foi a busca de equiparação da representatividade do projeto nas regiões, com vistas a priorizar as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Manual 01/2004) e estimular a presença da ação em todos os Estados do país (Manual 01/2005).

As metas de desenvolvimento da ação avançaram e culminaram na descentralização do processo de seleção com o lançamento do Manual do Processo Seletivo 01/2006. Foram instituídas 17 câmaras técnicas temporárias de análise – 16 câmaras estaduais e uma em Brasília – que contaram com a participação das Comissões Interinstitucionais de Educação Ambiental (CIEAs), Núcleo de Educação Ambiental (NEAs) do IBAMA, Coletivos Jovens, Coletivos Educadores, Redes de Educação Ambiental e outros parceiros. Cada Câmara Técnica recebeu propostas de seu estado para análise e orientação do processo de seleção e de ajuste de propostas, além de se comprometer com o acompanhamento e desenvolvimento das Salas Verdes que ajudou a selecionar.

Uma nova fase do Projeto Sala Verde foi implementada a partir do segundo semestre de 2004, através da realização de algumas ações:

– Formulação e lançamento do Edital 01/2004, como um novo mecanismo de incentivo a implantação de Salas Verdes pelo país (Este Edital foi denominado como sendo Manual Orientador 01/2004 e passou a configurar-se como uma estratégia de indução de Salas Verdes, sendo lançada com periodicidade variável);

– Mapeamento e diagnóstico de todas as Salas Verdes implantadas no período pré 2004;

– Diálogo e estímulo ao estabelecimento de parcerias, como uma nova estratégia de implantação de Salas Verdes pelo país; dentre outras ações.

Em uma nova perspectiva, no período de 2015 a 2018, o desenvolvimento do Projeto Salas Verdes foi marcado pelo fortalecimento da Rede de Salas Verdes e o lançamento de novos processos para subsidiar as salas verdes em sua atuação.

Em 2015, o Projeto iniciou a comunicação com as Salas Verdes por meio das redes sociais. Foi criada uma página oficial do Projeto Salas Verdes no facebook (Projeto Salas Verdes MMA), para potencializar a divulgação das ações realizadas pelas instituições e a troca de experiências entre as Salas Verdes, que nesse ano totalizavam 310 espaços.

O Projeto avançou com um novo processo para o fortalecimento da atuação dos gestores e equipes que atuam nesses espaços educadores. Foi lançado o curso EaD “Fundamentos e práticas de educação ambiental para espaços educadores”, criado a partir das demandas apresentadas por meio de uma pesquisa com as salas verdes.  A formação foi aberta exclusivamente para as Salas Verdes em sua 1ª edição.

Em dezembro/17, o MMA lançou uma nova Chamada para criação de novas Salas Verdes. O recebimento e análise das propostas ocorreu no período de dezembro/17 a junho/18. Ao todo, foram recebidas 459 propostas de instituições e foram selecionadas 320 para integrar o Projeto com novas salas verdes.

Atualmente, há 639 Salas Verdes em todo o país. Esses espaços representam um potencial de capilaridade e de integração de políticas públicas, que pode ser representado pela pluralidade de suas propostas, pela diversidade do público atendido e pelos vários tipos de instituições que aportam Salas Verdes.


Accessibility